Conhecendo O maior Cajueiro do Mundo em Natal

Aléxia Muniz
Aléxia Muniz
Olá! Meu nome é Aléxia, criei esse blog para poder falar de viagens. Meu objetivo é te ajudar a viajar, através das minhas histórias e experiências. Bem-vindo ao meu mundo!

O Cajueiro de Pirangi, também conhecido como maior cajueiro do mundo, é uma das atrações mais famosas de Natal e região. Eu tinha conhecido na minha primeira vez em Natal e dessa vez, fui novamente para registrar tudo pra vocês e ver como está.

Localização

O Cajueiro fica localizado na praia de Pirangi, no município de Parnamirim, a 12 km de Natal. Fica em direção a Pipa e o Litoral Sul, então normalmente, os passeios de buggy que fazem esse trajeto, passa pelo Cajueiro.

História

A história conta que o terreno pertencia ao pescador Luís Inácio de Oliveira, em 1888 e de repente, sem explicação e uso de hormônios, o cajueiro começou a se comportar de uma forma diferente. À medida que o galhos iam caindo na terra, eles ganhavam força e criava novas raízes começando a se nutrir e daquele galho, surgiam novos galhos.

Ao perceberem esse comportamento diferente, cientistas locais começaram a estudar o fenômeno. Foi considerado que era uma anomalia genética que provocava essa alteração. Em 1994, o cajueiro entrou pro Guinness Book.

Produção

São 8500 metros quadrados ocupados pelo cajueiro de Pirangi. Se fosse comparar o cajueiro de Pirangi com um cajueiro comum, seria o equivalente à 70 cajueiros ocupando o mesmo espaço. Na época de fruto, ele chega a produzir até 2.5 toneladas de caju.

Com isso, a árvore já produziu em torno de 70 mil quilos de fruto em seus mais de 100 anos de história. Não tem frutos o ano inteiro, somente acontece entre novembro e janeiro. Mas hoje em dia, não tem mais tantos frutos como antigamente, então a ideia de que vai chegar e ver a árvore toda recheada não rola, ele só se dá em algumas partes.

Visita

Não tem erro para achar o cajueiro, vai chegando na rua e já da pra ver o mato já na esquina. Tem estacionamentos na rua, nós achamos um lugar na rua para parar, mas imagino que na alta temporada, deve ter que parar nos estacionamentos pagos.

Na frente da atração, ficam várias barraquinhas e tipo uma feira com venda de artesanatos e souvenirs. Tem algumas lanchonetes, mas nada muito legal não. Achei que poderia ser melhor aproveitado ao redor da atração, ainda fica um coisa bem simples.

A impressão que tive é que quando fui à primeira vez, 13 anos atrás, estava tudo igual. Para conhecer o cajueiro, tem que passar por dentro dele.

Entre as raízes, foi construída passarelas por onde as pessoas podem andar. Tem alguns pontos legais para tirar foto e algumas plaquinhas explicando sobre. No local, também ficam guias que te explicam brevemente a história do cajueiro.

O legal é que como anda por dentro da árvore, faz uma sombra super gostosa e mesmo nos dias de sol, não é quente durante o passeio. Inclusive, tem alguns bancos no local. Não tem limite de tempo para ficar dentro da atração, mas depois de conhecer tudo, não tem muito mais o que fazer.

O local também conta com um mirante, que é bem legal, para ver a extensão do cajueiro. Mas, por conta do covid, não está podendo subir, o que é uma pena.

Valor do Ingresso

R$ 8 reais

O que eu achei?

Quando fui mais nova, achei mais legal. Ao final do passeio, eles davam um suquinho de caju geladinho, que ficou na minha memória. Fui seca por esse suquinho rss, mas eles tiraram faz tempo. Eu acho que o suco complementava toda experiência. Mas assim, é algo bem legal de conhecer e interessante.

Acho que eles poderiam aproveitar mais a atração, talvez colocar a fruta lá para ser degustada ou algo nesse sentido. É uma  atração pra ir uma vez na vida mesmo, não dá pra ficar repetindo esse passeio várias vezes. Mas vale a pena pra conhecer e parar por lá durante o passeio de buggy ou na ida até Pipa.

Beijos!

Compartilhe esse post:

– leia mais –

Posts relacionados