Domingos em San Telmo: O bairro mais antigo de Buenos Aires

Aléxia Muniz
Aléxia Muniz
Olá! Meu nome é Aléxia, criei esse blog para poder falar de viagens. Meu objetivo é te ajudar a viajar, através das minhas histórias e experiências. Bem-vindo ao meu mundo!

Conhecido como o bairro mais antigo de Buenos Aires, San Telmo, é caracterizado pelas ruas estreitas de paralelepípedos e estar nesse bairro é como uma viagem no tempo diretamente para a antiga Buenos Aires. E claro que a melhor forma de conhecer é na famosa e mais conhecida Feira de Antiguidades, que acontece todos os domingos no bairro.

Localização

San Telmo fica um pouco afastado da Recoleta, fica passando o centro, quase ‘’de frente’’com o bairro Porto Madero. Dá uns 20 minutos da Recoleta, mas é bem tranquilo chegar lá de táxi.

O coração do bairro é a Praça Dorrego, então é o melhor lugar para começar sua visita.

História

San Telmo foi uma das primeiras áreas a ser povoada na cidade. O bairro cresceu ao redor da Igreja San Pedro Telmo. Inclusive, foi ali que nasceu o primeiro hospital da cidade. Ele foi habitado por famílias ricas até que em 1871, uma epidemia de febre amarela dominou a cidade e as pessoas fugiram para o norte da cidade. 

Com isso, os imigrantes europeus aproveitaram para se amontar nas casas e fizeram os ‘’conventillo’’, onde as famílias viviam todas juntas em pequenos quartos. Isso levou a uma decadência do bairro, porém em 1979 foi criada a feira de antiguidades e decidiram conservar.

Feira de Antiguidades

San Telmo é um bairro antigo, não é bonito e bem cuidado como a Recoleta, tem uma pegada mais histórica. O legal é passear caminhando e não é um bairro muito grande, então, separe para conhecer no período da manhã ou tarde.

A Feira de San Telmo é a maior e mais antiga feira de rua da cidade. Ela acontece aos domingos das 10h às 17h. A feira começa na Plaza Dorrego, mas ela segue por todas as ruas circundantes. A feira é gigante mesmo!

Para os apaixonados por história e antiguidades, é um passeio imperdível. A feira original tinha algumas regras impostas pela prefeitura, uma delas é que só poderiam ser vendidos objetos com mais de 70 anos de uso. Até hoje, essa regra existe.

Porém, conforme a feira foi crescendo pela Calle Defensa, essas barracas não fazem parte da feira oficial e por isso, não são fiscalizadas e consequentemente, não entram nessa regra dos 70 anos.

Então, para ver a original feira, vá para a Plaza Dorrego. As barracas ali são as mais legais, é impressionante a quantidade de antiguidades que se encontra, objetos da segunda guerra mundial, móveis, artigos de decoração, livros.. É uma verdadeira volta ao tempo.

Mas sendo bem sincera, essas peças mais antigas não são baratas. Porém, eu comprei um lindo caderno com capa de couro personalizado com o logo da Caçando Destinos, amei!

Você encontrará também vários artistas de rua e no meio da Plaza, tinha um casal dançando tango. Muito legal!

Visitar essa feira é um passeio imperdível no seu domingo em Buenos Aires.

Mercado de San Telmo

Seguindo nessa pegada antiga, claro que não poderíamos deixar de conhecer o Mercado de San Telmo. Todas as cidades grandes tem um mercado central, onde você encontrará produtos típicos e comidinhas tradicionais. Eu gosto muito!

Em Buenos Aires, esse mercado é o de San Telmo. Ele é aberto todos os dias e tem várias frutas, produtos típicos e principalmente, restaurantes com comidas tradicionais como empanadas, asados, choripán… Vale a pena ir por volta de 10h da manhã pra feira e depois, almoçar no mercado.

Aos domingos, fica bem cheio por conta da feira, mas é uma boa forma de já aproveitar a ida até o bairro. É claro que vá sabendo que é tipo um mercadão, então tem aquela estrutura de ferro rústica, corredores mais escuros e aquele caos de mercados.

Dicas: Conhecer o Coffee Town, tem um café exclusivo e é bem recomendado, os baristas são profissionais e oferecem marcas e variedades raras de café.

Comer uma parrilla no Hierro Parrila dentro do mercado.

Casa Mínima

No coração de San Telmo, fica a curiosa casa mínima. É a casa mais estreita da cidade, possui apenas 2,5 metros de largura e 13 de profundidade. Se você não for atento, pode inclusive, deixar passar essa simples fachada. Tem uma porta de madeira verde e uma sacada no andar superior.

Uma das histórias sobre essa casa conta que no meio do século XIX, após a abolição da escravidão em Buenos Aires, os 800 mil escravos precisavam de um lugar pra morar. A Casa Mínima fazia parte de uma casa bem maior que ficava ao lado. A família cedeu a casa para o escravo para que ele pudesse morar com sua família, mas ainda trabalhasse pra família.

Não dá para entrar na casa, só dá para conhecer via visita guiada agendada com a prefeitura previamente.

Estátua da Mafalda

A Mafalda, personagem do cartunista argentino Quino, é amada por muitos argentinos. É impressionante como tem souvenirs, roupas, objetos de decoração que remetem aos personagens de quadrinhos. O autor nasceu em Mendoza, mas morou em Buenos Aires, mais especificamente no bairro de San Telmo.

E no meio do bairro, entre a rua Chile e a rua Defensa fica a estátua da Mafalda. Ela fica sentada em um banquinho e surpreendentemente, tinha uma fila ENORME para tirar uma foto. Eu até cogitei esperar pra poder mostrar aqui pra vocês, mas não rolou.

Não vá com grandes expectativas, não tem nada pra ver, além de tirar uma foto.

O que eu achei?

Eu gostei bastante da nossa manhã em San Telmo, eu confesso que não sou muito uma pessoa que curte artesanatos e coisas antigas, porém eu gosto de passear nessas feiras quando viajo. Acho que podemos ter contato com um aspecto mais tradicional da cidade. 

Tinha um starbuck na esquina da plaza Dorrego, então peguei um frappuccino naquele dia de sol e aproveitamos para bater perna. Não deixe de ver as lojas nas ruas, além das barraquinhas, tem muitas lojas de antiguidade, couro, produtos artesanais bem legais..

Beijos!

Compartilhe esse post:

– leia mais –

Posts relacionados